DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LUBRIFICAÇÃO AUTOMOTIVA

Gostou? compartilhe!

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LUBRIFICAÇÃO AUTOMOTIVA

Diferença entre óleos: MINERAL, SINTÉTICO e SEMI-SINTÉTICO

A situação é comum. Você para seu carro na oficina e tem uma lista de tipos de óleo na mão, como um cardápio bem variado de restaurante. São muitas ofertas: óleos minerais, sintéticos, semi-sintéticos e até aditivos para óleos. Mas para que serve tudo isso? E mais, qual opção desse menu vai ser apetitosa para meu carro? A troca de óleo do carro é algo importante para a vida útil do motor e, por mais simples que pareça ser, requer atenção em alguns pontos.

O que acontece quando se esquece de trocar o óleo na quilometragem indicada? Quais os riscos?

De uma forma geral, ultrapassar a quilometragem de troca quando o veiculo é usado de forma normal e não abusiva não é algo gravíssimo. E o condutor pode rodar até 1 mil km, sem grandes problemas. Entretanto, o nível do óleo deve estar obrigatoriamente acima da indicação mínima da vareta. O especialista alerta também que manter o óleo dentro dos limites do nível é essencial. Alguns carros mais sofisticados já avisam o motorista através de indicação do painel a necessidade de troca.

É obrigatório ter que colocar sempre o óleo da marca indicada pelo fabricante do carro?

As montadoras de veículos especificam os óleos lubrificantes através de características que determina uma especificação técnica. Dessa forma, basta seguir as especificações técnicas para trocar ou complementar o nível do óleo do motor quando necessário. Algumas marcas celebram acordos comerciais com fabricantes de óleos e passam a recomendar estas marcas, mas você não está obrigado a usar esta ou aquela marca. Este seu direito está garantido pela no Código de Defesa do Consumidor.

Quais as diferenças entre óleo mineral, sintético e semi-sintético. Por que os óleos sintéticos podem ficar por mais tempo no motor que os outros?

Quanto à diferença entre eles, o óleo sintético é um produto de engenharia química bem mais resistente que o mineral – que é obtido da destilação direta do petróleo – e o “semi-sintético” – que é uma mistura de básicos sintéticos e minerais. Mas, o importante é não se deixar levar por argumentos que este ou aquele óleo dura mais quilometragem ou mais tempo em uso – os minerais duram 5 mil km, enquanto os sintéticos valem por 10 mil km.

A troca de óleo em modelos que fazem trajeto apenas na cidade deve acontecer com mais frequência?

Em trechos urbanos é considerado, em alguns casos, uso severo, ou seja, exige troca de lubrificante com maior frequência. Isso porque há grande variação de rotações, de carga e de temperatura, que exigem mais do motor e, por consequência, do lubrificante.

Como saber a hora de trocar o óleo quando a quilometragem não é lembrada?

A cor escura do óleo pode ser um indicativo. Entretanto, o óleo escuro mostra que a ação detergente do óleo esta sendo cumprida. Em motores a gasolina, por exemplo, o especialista diz que o óleo tende a escurecer mais, pois os hidrocarbonetos resultantes da combustão estão mais presentes. Já nos carros movidos a etanol, o óleo é menos contaminado por hidrocarbonetos e fica mais claro, mas isso não significa que está limpo. Logo, deve ser igualmente trocado na quilometragem correta. Por questão de tempo, recomenda-se trocar a cada seis meses, quando o veiculo não é muito utilizado

É preciso trocar o filtro de óleo toda vez que se troca o óleo?

A recomendação é que a troca do filtro de óleo seja realizada a cada troca do lubrificante, O óleo é responsável por executar várias tarefas como, lubrificar, refrigerar, proteger, pressurizar e limpar o motor. Nesse caso, toda a sujeira removida pelo óleo fica depositada no filtro. E se o filtro de óleo não for trocado acabará entupindo e isso pode interromper a circulação do óleo e até fundir um motor.

A quilometragem alta exige o uso de um óleo diferente?

Não. Alguns mecânicos fazem essa recomendação, mas é apenas uma “lenda”. O óleo mais grosso pode trazer problemas, pois os tuchos hidráulicos não carregam o óleo de imediato e podem dificultar a partida a frio. O óleo recomendado pela montadora evita que esses problemas ocorram. Uma boa medida consiste em medir a pressão de compressão dos cilindros e verificar se os aneis estão desgastados após uns 100 mil km de uso. Se for o caso, uma troca de aneis pode resolver o problema de motores “cansados” a um preço razoável o que revitaliza o conjunto motriz. O óleo, por sua vez deve ser sempre o especificado pela montadora.



Gostou? compartilhe!

Whatsapp MECFLUX